Fifty Shades of Grey – O Fenómeno – Parte 1

Semanas depois de chegar às salas de cinema de todo o mundo, raros serão os portugueses que não rumaram ao cinema com os amigos ou as caras metade para verem com os seus próprios olhos e tentarem perceber o que está afinal por detrás deste fenómeno que de literário passou a global, num piscar de olhos.

O que estará então por detrás de “As Cinquenta Sombras de Grey”?

150223_r26175-1200

A história

“Cinquenta sombras de Grey” narra a história de amor entre Christian Grey e Anastasia Steele. Duas pessoas vindas de mundos totalmente diferentes; ele, empresário de sucesso e multibilionário, homem reservado, aparentemente sem amigos ou vida social; ela, uma estudante de literatura, tímida e um pouco desastrada, mas com uma rede segura de amigos próximos.

O que faz então esta história diferente de tantas histórias de amor em que a rapariga pobre se apaixona pelo milionário ou então em que a rapariga boazinha se deixa seduzir e apaixonar pelo bad boy? A resposta será o tipo de bad boy que Christian é e aquilo que, afinal, dá ao romance de E. L. James a etiqueta de romance erótico: o facto de Grey ter uma vida sexual diferente do “normal”, do baunilha e mais virada para o universo do BDSM (bondage, dominação e sadomasoquismo), contrapondo com o facto de Anastasia ser uma jovem de todo inexperiente em termos sexuais. Anastasia Steele incorpora o tipo de mulher que todos os homens secretamente desejam conhecer – inteligente, tímida, culta e… virgem; Christian Grey, jovem magnata bem-sucedido, atraente e misterioso, que seduz Anastasia e a conduz numa viagem sexual e emocional.

fifty_shades_of_grey_scanes_wallpaper_hd

Desde o primeiro encontro ambos se sentem intrigados um pelo outro e depois de uma série de encontros fortuitos (ou não), Christian revela a Ana o seu desejo de fazer dela sua submissa. Dão-se então um conjunto de situações em que se encontram para discutir e clarificar o que ambos querem e o que esperam um do outro, uma espécie de dança ou jogo de poder com avanços e recuos de ambas as partes, que deixa claro o quão ambos começam a significar um para o outro e o quanto estão dispostos a sacrificar ou ceder: ele tentando iniciá-la numa prática sexual completamente nova e um tanto assustadora para Ana, ela tentando fazer com que ele quebre algumas das suas barreiras.

O livro

26214_eljamesem

Começando do princípio, “As cinquenta sombras de Grey” é o primeiro livro de uma trilogia escrita pela britânica E. L. James (pseudónimo de Erika Leonard), de 52 anos e mãe de dois adolescentes. Na trilogia seguem-se “As cinquenta sombras mais escuras” e “As cinquenta sombras livres”. Num primeiro momento, a história de Anastasia e Christian mais não passava do que uma fan fiction inspirada noutro grande fenómeno que é “Crepúsculo”. E. L. James, sendo uma assumida twihard (nome dado aos fãs da trilogia “Crepúsculo”), criou uma história que, durante dois anos escreveu e publicou capítulo a capítulo na Internet: a história de um empresário multibilionário, Edward Cullen, e da ingénua estudante Bella Swan que se acabam por apaixonar. A história tinha então o título de “Master of the Universe” (Mestre do Universo). Segundo a própria autora, não foi escrita para homens, tratou-se sempre de uma fantasia para mulheres, tendo sido escrita durante o que ela própria apelida de crise da meia-idade e espelhando algumas das suas próprias fantasias.

Em 2010, nasceu a verdadeira trilogia que hoje conhecemos, “As cinquenta sombras de Grey”, rapidamente se tornando um fenómeno literário, não só na Inglaterra mas por todo o mundo. Estima-se que o livro tenha vendido mais de 100 milhões de cópias, tendo sido traduzido para mais de 50 línguas. E. L. James foi ainda o autor mais bem pago do mundo no ano de 2013, segundo a revista Forbes.

O filme

Estávamos no ano de 2013 quando foi anunciado que a Universal Pictures tinha finalmente conseguido assegurar os direitos cinematográficos da trilogia. O primeiro anúncio, em Junho de 2013, foi o da realizadora que levaria a cabo essa tarefa, Sam Taylor-Johnson. Seguiram-se meses de especulação acerca de quem seriam os actores a desempenhar os papéis de Christian e Anastasia. Dos fãs muitas sugestões surgiram com nomes como Matt Bomer, Ian Somerhalder ou Alexis Bledel como preferências.

tumblr_njl2ya5pLi1sq4vwio1_1280

Charlie Hunnam (que pudemos ver na série “Sons of Anarchy” e em “Pacific Rim”) e Dakota Johnson (conhecida pelos papéis em “A rede social” e “Um noivado de 5 anos”) foram anunciados por E. L. James, em 2013, como sendo os protagonistas da história. As críticas dos fãs foram tantas que muitas petições online contra o casting foram lançadas. No entanto, pouco antes de começarem as filmagens, Hunnam acabou por se retirar do papel devido a conflitos de calendário. Os substitutos possíveis, então, eram Alexander Skarsgard (o Eric da série “True Blood” e Jamie Dornan (ex-modelo da “Calvin Klein” e um serial killer na série britânica “The Fall”). Este último, após uma audição conjunta com Dakota, acabou por ser o escolhido para substituir Hunnam no papel do bilionário Christian Grey. Do elenco final do filme fazem ainda parte Jennifer Ehle, Eloise Mumford, Victor Rasuk, Luke Grimes e Marcia Gray Harden.

A adaptação do romance de E. L. James gerou receitas de cerca de 220 milhões de euros nas bilheteiras internacionais no fim-de-semana de estreia (que englobou o Dia dos Namorados), superando o sucesso de Avatar em 2009, que acabou por vir a ser, nesse ano, considerado o filme mais lucrativo de sempre. Apesar de os milhares de fãs devotos da trilogia literária poderem assegurar por si só o sucesso deste filme, tal não explica estes números recorde. O fenómeno deve-se então a todo o marketing feito pela Universal em redor do filme e explica-se por toda a controvérsia e expectativa gerada à volta do mesmo: desde a escolha dos atores, à tensa relação entre a realizadora Sam Taylor Johnson e a produtora executiva e autora dos livros que inspiraram o filme, E. L. James, até ao boicote pretendido por muitas organizações. Ponto comum da controvérsia: os temas (ainda?) tabu que nos apresenta e que deu, então, aso à variedade de classificações conferidas ao filme.

Fifty-Shades-Of-Grey-Gallery-03

No Reino Unido, o filme foi classificado para maiores de 18 devido ao sexo e nudez apresentados e ao retrato de jogos eróticos baseados em dominação, submissão e práticas sadomasoquistas. Em contraste, na América, o filme teve um R rating (maiores de 17 mas com a possibilidade de menores poderem ver o filme desde que acompanhados pelos pais) devido a comportamentos fora do comum, representados no filme, nudez gráfica e um conteúdo marcadamente sexual. Em Portugal, o filme pode ser visto por maiores de 16 anos.

Já na França, o Ministério da Cultura decidiu permitir a visualização do filme a partir dos 12 anos (!), por não considerar que “As Cinquenta sombras de Grey” se trate de um filme que possa chocar muito as pessoas, recebendo a categorização de romance. No passado filmes como “O Lobo de Wall Street” ou o violento “300” receberam a classificação também de maiores de 12, mostrando que a França é marcadamente mais liberal em relação a conteúdo sexual. Extremos opostos são as Filipinas, onde o filme é para maiores de 18 e contém várias imagens desfocadas em algumas das cenas mais explícitas, e a Mongólia, onde não estará sequer em exibição por ter sido considerado pornografia.

FIFTY SHADES OF GREY - 2014 FILM STILL - DAKOTA JOHNSON stars as Anastasia Steele - Photo Credit: Chuck Zlotnick  © 2015 Universal Studios and Focus Features. ALL RIGHTS RESERVED.

Facto é que, supostamente, um sexto do filme envolverá cenas de sexo entre Christian e Anastasia, mas “As Cinquenta Sombras de Grey” é considerado pelo próprio Jamie Dornan mais romântico que sexual, numa tentativa de apelar a uma audiência mais vasta, sem nunca entrar no reino da pornografia. Aliás, foi esta a intenção da realizadora, não ultrapassar limites; o filme não chega a ser graficamente explícito e não contem nudez frontal total (o que poderá desiludir algumas pessoas, em particular os leitores da trilogia). De facto, cerca de 15% do livro contém cenas tórridas que não poderiam passar na totalidade para o ecrã.

Por Ana Cristina Silva, in RTRO #31, que pode ser lida na íntegra aqui.

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s